sábado, 22 de julho de 2017

Resenha: "Oito" - Décio Gomes

   Sabe aquele escritor que você sempre teve vontade de ler mais nuca teve a oportunidade? E quando surge a chance você não a deixa escapar? Foi isso que aconteceu para eu ter minha primeira experiência de ler um livro do escritor pernambucano Décio Gomes. Hoje vou resenhar seu livro de contos "Oito".
   Essa coleção escolhida pelo Décio contém oito contos, sendo eles de vários estilos: romance, terror, suspense, drama e até ficção científica! A intenção do escritor é fazer com que os leitores apreciem e encontrem oito sentimentos diferentes na leitura, e para ser sincero, ele conseguiu!
   Com uma escrita inteligente, personagens palpáveis e belas construções de cenários, o jovem escritor consegue nos transportar para oito mundos diferentes, fazendo com que nossa experiência de leitura seja completamente cinematográfica! Conseguimos viajar entre as estórias e viver os dramas dos personagens. Acompanhar o desenvolvimento das narrativas me mostrou que Décio tem uma habilidade com a escrita que poucos possuem. 
   Mas vamos falar um pouco sobre cada conto. Como o próprio título diz, existem 8 contos nessa coletânea, que são: 
1 - Marco, Polo - Esse conto dramático traz uma abordagem focado no tema animal, na breve explicação que antecede o conto, Décio diz que esse conto foi feito exclusivamente para a antologia "Os animais também vão para o céu" da editora Sinna. 
Um conto inteligente, chocante e marcante definem essa maravilha! O desenrolar da trama foi sensacional e conseguiu me cativar de uma maneira inexplicável! Esse foi o meu 3º conto favorito.
2 - O colecionador de máscaras - Esse conto de Mistério/terror, possui uma temática de serial killer. Ambientado numa cidadezinha que esta preparada para a festa do dia das Bruxas, um visitante vai a um museu da cidade a procura de uma máscara, a máscara morta. Depois de encontrá-la, o circo começa a pegar fogo!
Gostei bastante da experiência lendo esse conto, o final da história foi bem inesperado por mim, o que me fez gostar ainda mais dele.
3 - O mural das décadas - Esse pequeno conto de romance é delicado, porém intenso e misterioso. Na explicação, Décio diz que é uma interpretação da canção "Vermelho" de Marcelo Camelo.
Tive um pouco de dificuldade com esse conto, acho que eu não o li no momento certo. Embora esses infortúnios, gostei da maneira como Décio desenvolveu a história dos personagens e seus sentimentos. 
4 - Rio Morto- Nesse quarto conto, encontramos mais mistério e terror, com uma temática de vampiros ambientada no sertão de Pernambuco. Esse conto é uma releitura modernizada do grande clássico de Bran Stoker, Drácula. Nesse conto acompanhamos o vendedor Iago, que está prestes a fazer um grande negócio com o senhor Simão, um cara um tanto quanto estranho. Tudo corre bem, até Simão não permitir que Iago volte para casa na escuridão da noite, forçando-o a pernoitar em seu palacete. Sério galera, esse conto é de arrepiar!
Um conto sensacional! Já esperava algo do tipo que aconteceu no desenrolar da narração, mas Décio conseguiu colocar tanta ação em sua escrita que eu não consegui parar de ler até que o conto terminasse!
5 - A morada da memória- Voltamos a ter um conto de romance/drama com uma temática de amor. Acompanhamos a melancólica história dos dois velhinhos Nhonhô e Maria do Céu. Um conto lindo! Que tratará de um dos momentos mais tristes da vida, a despedida. 
Um conto lindo e fofo. Esses personagens são aqueles que ficam na nossa mente por tempos!
6 - Estrada 401- Décio na explicação do conto disse que esse era o seu escrito mais antigo e devido a sua imaturidade quando escreveu, esse conto quase ficou de fora dessa coletânea. Graças aos céus que ele deixou essa maravilha nesse livro, pois foi o meu conto favorito!
Com uma temática de suspense/Thriller, acompanhamos a aventura de nosso jovem Marco, que estava com seu carro quebrado na estrada 401. Estrada essa deserta e um tanto quanto perigosa. Marco estava indo visitar sua avó, e precisava passar por essa estrada, porém seu carro quebrou e ele ficou sozinho. Depois de muita espera, ele consegue uma ajuda de um policial que o leva a uma pousada da estrada e, a partir dai, é só tiro porrada e bomba! 
Com um desenrolar assustador e nojento, esse conto mexeu real comigo. Ele é um dos meus contos favoritos da vida!  
7 - As almas dos enforcados- Esse é um conto que tem um personagem conhecido pelos leitores dos livro de Décio, é um conto do padre Jullian Bergano. Acompanhamos nesse conto uma visita do padre a uma capela em construção no bairro da liberdade em São Paulo. O padre exorcista busca entender e resolver o que está assombrando todo o bairro e o padre da comunidade Almeida. 
É um conto de Terror com temática ligeiramente religiosa. Ele me cativou de uma tal maneira que me fez ter muita vontade de conhecer a série desse padre escrita pelo Décio, que chama "In Nomine Patris".  As almas dos enforcados foi meu 2º conto favorito dessa coletânea!
Esse conto também está presenta na antologia "Arquivos do mal" publicada pela editora coerência.

8 - Eterna- Esse ultimo conto de romance e ficção científica, faz uma brincadeira com a gente "Para sempre é longe demais..." nem tudo é eterno. Consigo então pensar que Décio escolheu esse conto para concluir seu livro para refletirmos isso. 
Nesse conto acompanhamos uma jovem que está desesperada atrás de seu antigo "professor" a respeito de respostas sobre ela e sua existência. 
É um conto chocante e, até certo ponto, triste. Podemos analisarmos de vários pontos distintos. Recomendo.
   É isso, leitores! Espero que tenham gostado dessa resenha e tenham se interessado por esse livro incrível do talentoso escritor Décio Gomes. Com certeza eu vou ler mais obras dele. Seus livros já estão na minha Wishlist. 
   O livro como um todo está lindo! Não só pelos contos, mas pela edição também. Capa maravilhosa, e ilustrações de cada conto. Sério vale muito a pena. 
   Adquirem seu exemplar direto com o autor: compre aqui. Ebook: link da amazon
    Página oficial do escritor: Décio Gomes

terça-feira, 18 de julho de 2017

[Resenha/Análise] A arte de ser feliz - Cecília Meireles

   OIOI, quanto tempo... não?! Como prometido (porém com um super atraso) hoje trago uma pequena análise do poema "A arte de ser feliz" de nossa querida Cecília Meireles. Não é a primeira vez que conversamos sobre Cecília aqui nesse blog, já batemos um papo sobre a incrível obra "O Romanceiro da Inconfidência" (clique aqui para ler a resenha). E não é a primeira vez que trago uma análise de um poema para vocês. Na primeira ocasião, estudamos o "Poema de sete faces" do Drummond (resenha aqui). Diferentemente da primeira análise, hoje trago apenas uma conversa, um papo sobre o poema de Cecília, nada muito concreto e criterioso como da primeira oportunidade. Então, vamos lá! 

                                                    ***

A arte de ser feliz

Houve um tempo em que minha janela se abria
sobre uma cidade que parecia ser feita de giz.
Perto da janela havia um pequeno jardim quase seco.
Era uma época de estiagem, de terra esfarelada,
e o jardim parecia morto.
Mas todas as manhãs vinha um pobre com um balde,
e, em silêncio, ia atirando com a mão umas gotas de água sobre as plantas.
Não era uma rega: era uma espécie de aspersão ritual, para que o jardim não morresse.
E eu olhava para as plantas, para o homem, para as gotas de água que caíam de seus dedos magros e meu coração ficava completamente feliz.
Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor.
Outras vezes encontro nuvens espessas.
Avisto crianças que vão para a escola.
Pardais que pulam pelo muro.
Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais.
Borboletas brancas, duas a duas, como refletidas no espelho do ar.
Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lope de Vega.
Ás vezes, um galo canta.
Às vezes, um avião passa.
Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino.
E eu me sinto completamente feliz.
Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,
que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem,
outros que só existem diante das minhas janelas, e outros,
finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim.
Cecília Meireles
                                                ***
   Como disse, não vou fazer uma análise embasada em teorias literárias nem nada do tipo. Vamos apenas bater um papo sobre questões importantes que são notadas nesse lindo poema. 
   Primeiro notamos a presença do efêmero que movimenta o poema, em vários momentos, Cecília nos apresenta passagens de tempos que nos permitem enxergar de maneira cinematográfica o que ela esta querendo dizer em seus versos, como um senhor que salvava, em um gesto delicado, um jardim quase seco próximo da janela do eu-lírico. Apenas esse gesto de generosidade fez com que o narrador se transbordasse em felicidade. 
   Numa tentativa de visualizar o mundo, outras situações são esboçadas, com simples ações como crianças indo para a escola, pardais pulando, borboletas voando , um galo cantando entre outros. Todos estão cumprindo seu destino, vivendo e cumprindo. 
   Uma problemática é apresentada: Essas felicidades certas estão diante da janela apenas do narrador? Então ele deixa subtendido que nós precisamos aprender a olhar e enxergar nos pequenos gestos, ações, o sentimento de felicidade, a vida que passa e deixamos ela fugir. 
   Precisamos parar de sermos guiados pela negatividade e começar a viver, enxergar o melhor das pessoas, de tudo. Quantas vezes simplesmente fechamos nossas janelas para impedir a felicidade do outro (quando não a nossa mesma). Precisamos abrir nossas janelas e deixar que a luz entre, e assim buscar nossa felicidade, nosso destino. 
   É isso então, leitores! Hoje foi só uma pequena reflexão sobre esse poema supimpa de Cecilia Meireles. Acho que é o meu favorito da vida! 
   E vocês, gostam de poemas? Comentem aqui, vou adorar saber seus poetas prediletos. <3


                                          ***
Deêm uma olhada nesse poema recitado no canal da Tatiana Feltrin <3 Sensacional!

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Projeto [Aulas] de leitura!

   Boa noite, leitores! Trago boas novas, comecei a dar aula no cursinho popular do DCE - USP!!!
   Estou ministrando aulas de leitura de quarta feira (mas não todas). Essas aulas são uma mistura de aulas de interpretação de texto e literatura, e um dos principais objetivos dessa aula é fazer com que os alunos construam um repertório e levem essa cultura para o vestibular, relacionando conceitos e obras trabalhadas em suas redações, como sabemos estabelecer essas relações na redação acarreta muitos pontos! Outro intuito dessas aulas é estimular o hábito da leitura nos alunos, muitas vezes não temos vontade e até criamos um receio de ler um Machado de Assis, por ser um clássico e famoso, em razão disso esboçamos uma imagem de que a leitura dessas obras será uma batalha ou até mesmo um lixo. Nossa proposta é tentar desconstruir esses preconceitos e mostrar como eles podem se inserir nesse maravilhoso mundo que é a literatura, através de obras  (grande parte) de autores renomados.  
   Como funcionam as aulas?  Eu e a outra professora que divide essa matéria comigo, Carol, montamos um cronograma com vários eixos temáticos e, assim, escolhemos quais autores/ obras vamos trabalhar naquela aula. Assim, os alunos vão com as obras lidas no dia da aula para realizarmos um debate. Nós, professores, apresentamos uma breve contextualizada da obra e do autor para os alunos como: contexto histórico, corrente literária, biografia, principais características e como abordar aquele escritor no vestibular. 
   A partir dessas aulas, achei interessante aplicar esse projeto aqui no blog, assim como nas aulas, todos os dias que houverem as aulas no cursinho, eu postarei uma resenha das obras aqui para vocês! o que acham? Seria bem bacana a gente discutir essas leituras! 
   O cronograma das leituras ficaram assim: 

*28/06: Apresentação do projeto + Leituras em sala:
- “Poema de Sete faces” Carlos Drummond de Andrade(resenha aqui)
- “A arte de ser feliz” Cecilia Meireles

*09/08: Clássicos para amar. Leituras:
-"Um Apólogo" Machado de Assis
- “O crime do professor de matemática” Clarice Lispector
- "O cobrador" Rubem Fonseca

*30/08: Especial UNICAMP. Leituras:
- "O espelho” Machado de Assis
-"Negrinha" Monteiro Lobato
- “Amor” Clarice Lispector

*06/09: Nossas Mulheres (I)
-"O desastre de Sofia" Clarice Lispector
- "Então, Adeus!" Lygia Fagundes Telles.
-"Eu sei, mas não devia" Mariana Colasanti (Crônica).

*20/09: Nossas Mulheres (II)
-"Feliz aniversário" Clarice Lispector (resenha aqui)
-"venha ver o por do sol" Lygia Fagundes Telles
- "A Obscena Senhora D" Hilda Hilst

*27/09: Lusos
- “O conto da ilha desconhecida” José Saramago
- “Todas as cartas de amor” Fernando Pessoa (Poema)

*11/10: Poemas para o Enem para gostar
- “Profundamente” Manuel Bandeira
- “Momento num café” Manuel Bandeira
- “O aparador” Ana Martins Marques
-“Operário no mar” Drummond
-“Menino chorando na noite” Drummond
- “O Flautista Misterioso e os Ratos de Hamelin” Braulio Tavares (resenha aqui)

*01/11: Mês do Horror
-“O Gato Preto” Edgar Allan Poe
-"1922" Stephen king
- “O vilarejo” Raphael Montes

*29/11: Contemporâneos ou quase
- "conto dos três irmãos" JK Rowling
- “Mestre Gil de Ham” J.R.R. Tolkien

Biblioteca Científica de Oberlausitzische, Gorlitz, Alemanha

  Para algumas obras, já tenho a resenha aqui, então vou deixar o link para vocês darem uma olhadinha! 
   A respeito do poema da cecília que sou abordado em aula essa semana, a resenha / análise sairá nesse domingo (02/07).
   É isso então, pessoal! Espero que tenham gostado dessas notícias. Se algum aluno estiver lendo esse post, fiquem sabendo que estou amando a experiência, vocês são demais! 
   Fica o convite para os alunos do cursinho, que quiserem, escreverem uma análise dos textos para eu postar aqui, é só entrar em contato comigo!
   Deixem um comentário, ajudará bastante esse projeto =)